Thursday, November 29, 2007

Por começos de dias melhores

Tem alguém NO MUNDO que não se confunda com esses botões? Que não chegue todo dia no trabalho e esmague alguém que queira entrar, ou se atrase por alguns segundos até se dar conta que não está pedindo para a porta fechar, e sim para ela continuar aberta?

Qual é o problema que as indústrias de elevadores têm para escrever ABRE e FECHA nesses botões? Ou, se for muito caro produzir botões em várias línguas, OPEN e CLOSE?

Claro que não dá pra se exigir muita simplicidade de quem se chama ThyssenKrupp, mas eles poderiam pelo menos facilitar a vida de quem chega no trabalho ainda acordando, ou volta do almoço lento demais para ficar relacionando flechinhas e riscos com portas.

Monday, November 12, 2007

Curdo, o Danrlei dos povos

Alguém aí sabe me informar o que os curdos fizeram para serem globalmente escurraçados? Impressionante o que aparece de matéria mostrando exércitos nacionais brigando contra uma "minoria curda".

E alguém sabe explicar por que eles estão sempre em minoria, mas existem em absolutamente todo país do Oriente Médio e da Europa Oriental? Será que eles são um povo tão insuportável que não conseguem nem viver próximos um do outro?

Eles devem fazer algo muito grave. De repente são aquelas pessoas que passam o dia inteiro coçando a garganta e fazendo aquele estalo irritante. Ou ainda, aquelas que, quando alguém pergunta "de onde fala" no telefone, respondem "com quem quer falar?". Ou, quem sabe, ficam fazendo bola de chiclete em lugares públicos. Ou ainda, são daqueles povos que não escolhem em que faixa de trânsito querem dirigir, e ficam sempre no centro delas. Ou um povo que freia quando está subindo lomba. Ou talvez seja um povo só de motoboys ou flanelinhas. Ou talvez todos tenham a cara do Danrlei ou do Álvaro Garnero, e ficam dando raiva onde quer que passem.

Sei não. Acho que esse tal de curdo é um povo viral. Devem fazer parte de uma campanha para evitar mais conflitos em outros países. Tipo assim: "Não faça guerra com o país vizinho. Quando sentir vontade, mate um curdo em vez disso. Não é à toa que ninguém nunca viu um curdo por aí. Se eles existissem, haveria uma colônia curda em Livramento, Venâncio Aires, Veranópolis, Cruz Alta.

*** Que cara de pau o cara ficar um mês sem postar e fazer um texto aleatório desses, como se nada tivesse acontecido, né?