Friday, April 28, 2006

Mata-mata

Estádio de Munique, 5 de julho. Estados Unidos e Irã disputam a semifinal da Copa do Mundo. O jogo está no início do segundo tempo, e o placar é um a zero para os americanos. Na torcida do Irã, Ahmed parecia ser o torcedor mais tranqüilo. Mas isso não tinha nada a ver com o jogo. Ahmed estava calmo porque já tinha cumprido a parte mais difícil da sua missão nesta Copa: comprar juízes e auxiliares, sabotar comida e água de atletas, e o que mais fosse preciso para forçar um cruzamento entre Estados Unidos e Irã nas semifinais, a mando de terroristas ligados ao presidente Mahmud Ahmadinejad. Agora só faltava fazer uma coisa: tirar um controle remoto de alarme de carro do bolso e apertar um botão. Imediatamente, as bombas colocadas nas caneleiras dos atletas de seu país explodiriam sem que eles soubessem e atingiriam os americanos que estivessem por perto.

A orientação era para que Ahmed apertasse o botão numa cobrança de escanteio no final do jogo. Se o Irã estivesse ganhando, a bomba seria detonada durante uma cobrança para os Estados Unidos. Se os EUA estivessem ganhando, a bomba seria detonada durante uma cobrança para o Irã. Nessas horas, quase todo o time avança para a área adversária, e a possibilidade de acertar um grande número de americanos aumentava.

Como o Irã perdia, a espera de Ahmed era por um escanteio para seu time. Mas o time dos EUA parecia querer estragar os planos dos terroristas. Tocava a bola com competência no meio campo, marcava a saída do adversário e até arriscava alguns chutes de fora da área. O Irã, quando ultrapassava a linha divisória, não encontrava ninguém desmarcado. Foi assim no início da segunda etapa, depois aos 20, 25, 30 minutos do segundo tempo. A essa altura, Ahmed já estava tão nervoso quanto o resto da torcida do Irã. Qualquer erro que acontecesse, mesmo que não fosse responsabilidade dele, custaria a sua vida. Ele já olhava, tenso, para os portões de saída do estádio, procurando uma boa fuga caso tudo desse errado, quando viu a torcida se levantar.

É contra-ataque do Irã pela esquerda. O volante interceptou uma bola alta, dominou, lançou o lateral. O lateral parou a bola, olhou pra frente, não viu ninguém e foi em direção à linha de fundo. Chegando lá, deu um corte no marcador e cruzou alto. Um zagueiro americano e o centroavante do Irã subiram juntos para cabecear. O juiz, um experiente gaúcho que estava apitando sua última copa, mesmo acompanhando o lance à distância, não hesitou em marcar escanteio.

A mão do juiz apontando para a bandeirinha de escanteio despertou Ahmed, que meteu apressadamente a mão nos dois bolsos da calça em busca do controle remoto. Quanto mais procurava, mais tenso ficava. Desesperado, olhou para baixo e tirou tudo o que encontrou nos bolsos. O controle apareceu no bolso direito. Ele apertou o botão na hora, olhou para o campo e tremeu como nunca havia tremido na vida.

O assistente, um venezuelano recém-integrado ao quadro da Fifa, estava apontando tiro de meta. Todos os jogadores do Irã corriam para cercar o bandeirinha e pedir explicações. O juiz também corria para lá, já sacando um cartão amarelo para aplicar no lateral esquerdo, o mais exaltado do grupo.

O cartão amarelo nem chegou a ser erguido. Os onze jogadores do Irã explodiram na linha lateral, atingindo o juiz e o bandeirinha, para espanto da seleção americana, que tomava água do outro lado do campo, e das torcidas.

O atentado repercutiu no mundo todo.

Os Estados Unidos elegeram mais uma vez um presidente republicano, que alertou em sua campanha para os riscos do terrorismo chegar ao Superbowl e à NBA. A guerra contra o Irã foi anunciada horas depois do novo comandante tomar posse.

Na Venezuela, a morte do assistente, transformado em herói pela mídia local, causou comoção. A pressão popular pela punição dos culpados foi tanta que Hugo Chávez não teve saída: acabou se aliando ao governo americano na guerra contra o Irã.

Ahmed foi procurado nos cinco continentes, até ser encontrado num refúgio no interior da Bielo-Rússia. Foi morto por compatriotas.

A prefeitura de Munique, traumatizada pelo segundo atentado em eventos esportivos da sua história, proibiu a realização de qualquer jogo internacional, seja de que esporte for, na cidade.

A Fifa, além de reforçar a segurança nas copas, aboliu a figura do bandeirinha, e introduziu o recurso do vídeo tira-teima em torneios de seleções.

A morte do árbitro gaúcho também teve suas conseqüências: o Inter ficou cinco anos sem ganhar Gauchão.

7 Comments:

Anonymous Vicente said...

Sensacional, cara. Agora posta umas tiras aí.

11:52 AM  
Anonymous Anonymous said...

bah, leo, te superou! muito tri teu texto!! bj, maria paula, a letti

12:23 PM  
Anonymous Emiliano said...

Bah, só dá Leo.

7:16 PM  
Blogger benammons57609382 said...

Get any Desired College Degree, In less then 2 weeks.

Call this number now 24 hours a day 7 days a week (413) 208-3069

Get these Degrees NOW!!!

"BA", "BSc", "MA", "MSc", "MBA", "PHD",

Get everything within 2 weeks.
100% verifiable, this is a real deal

Act now you owe it to your future.

(413) 208-3069 call now 24 hours a day, 7 days a week.

12:26 AM  
Anonymous Anonymous said...

Cool guestbook, interesting information... Keep it UP
» » »

11:39 AM  
Anonymous Anonymous said...

Excellent, love it!
» » »

2:39 PM  
Anonymous Anonymous said...

Looking for information and found it at this great site... video editing programs

7:48 AM  

Post a Comment

<< Home